Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > História
Início do conteúdo da página

História

imagem sem descrição.

A emancipação política do Brasil ocorreu em 1822, quando o País libertou-se do jugo português.

Embora o processo de Independência tenha sido pacífico, as Províncias do Pará, do Maranhão, do Piauí, da Bahia e da Cisplatina rebelaram-se   contra a nova ordem política vigente e declararam-se fiéis à Corte de Lisboa.

Com a finalidade de consolidar a independência do Brasil e apaziguar os revoltosos, em meio às campanhas de pacificação, D. Pedro I criou o  Batalhão do Imperador, em janeiro de 1823 (clique aqui para acessar o Decreto de criação do Batalhão).

O Batalhão do Imperador foi composto por militares de elevado conceito e valor, incluindo o Tenente Luís Alves de Lima e Silva. O batismo de fogo da Unidade, sempre fiel ao Imperador, foi na Província da Bahia, onde haveria a maior resistência. O Coronel José Joaquim de Lima e Silva ─ que comandava o Batalhão do Imperador ─ assumiu o Comando Geral do "Exército Pacificador" e ordenou uma grande ofensiva contra os portugueses. O Exército Brasileiro entrou em Salvador, consolidando a retomada da cidade e o fim da ocupação portuguesa no Brasil. Cabe destacar que nessa campanha o então Tenente Luís Alves combateu ao lado da então 1º Cadete Maria Quitéria de Jesus, célebre por ter-se disfarçado de homem para poder alistar-se e defender a nação que ora surgia (mais tarde, após ser descoberta, Maria Quitéria foi, por sua bravura, autorizada a permanecer na tropa, passando a utilizar um saiote à escocesa para distingui-la dos demais militares).

Maria Quitéria de Jesus e seu saiote

Laureado de êxitos em combate, o Batalhão do Imperador foi novamente empregado, agora na Guerra da Cisplatina, em 1825, destacando-se o Capitão Luís Alves de Lima e Silva.

A brilhante e reconhecida ascensão de Caxias ao posto de Major permitiu que ele se tornasse o Subcomandante da Unidade, cujo Comandante era o seu tio, o Coronel Manoel da Fonseca de Lima e Silva.

Diferentemente da gloriosa trajetória de Caxias, o Primeiro Reinado não conseguira estabelecer-se, resultando na abdicação de D. Pedro I. O Batalhão do Imperador foi então extinto, vindo a renascer em 1933, com a denominação de Batalhão de Guardas, sediado na cidade do Rio de Janeiro, Capital Federal na época.

O Duque de Caxias por volta de 1870

Com a transferência da Capital Federal para Brasília, essa unidade de elite foi transferida para o Planalto Central, passando a denominar-se BATALHÃO DA GUARDA PRESIDENCIAL.

Nas últimas décadas, o BGP vem cumprindo missões ímpares no âmbito do Exército Brasileiro, em especial ao executar a Guarda e o Cerimonial da Presidência da República, de Chefes de Estado e do Corpo Diplomático, ao ser empregado em Operações de Garantia da Lei e da Ordem e ao representar o Exército e o País em solenidades e eventos diversos, seja com a sua consagrada Banda de Música, seja com frações de tropa em demonstrações de ordem unida sem comando.

Como justo reconhecimento ao seu primeiro Porta Estandarte, que veio a ser relacionado como o Patrono do Exército Brasileiro, a Unidade, em 2001, recebeu a denominação histórica de "BATALHÃO DUQUE DE CAXIAS".

Para conhecer os principais fatos históricos dos quais o BGP foi protagonista, clique em "BREVE LINHA DO TEMPO".

 

Chegada do BGP a Brasília, vindo do Rio de Janeiro - RJ

Vista aérea do BGP em 1960 (na parte de baixo, pavilhão de comando sendo construído)

Guarda-Bandeira na Esplanada dos Ministérios em 1961

Flagrante da construção do BGP em 1960

Flagrante da construção do BGP em 1960

Guarda de honra para o Presidente Jânio Quadros em 1961

Parada diária do BGP em 1961

 

Assunto(s): Internet , História
Fim do conteúdo da página